Buscar
  • Bruno Madeira & Jonathan Freitas

ARTIGO CIENTÍFICO: UMA ANÁLISE TEÓRICA, CRÍTICA E TÉCNICA DA INTRODUÇÃO DE "A LISTA DE SCHINDLER".

Artigo por: Jonathan Freitas e Bruno Madeira.


RESUMO


Pode-se dizer, sem qualquer receio ou sombra de dúvida, que a obra de 1993 “A Lista De Schindler” se encontra como um dos principais expoentes de filmes ambientados na segunda guerra mundial já executados. Apesar dessa temática, ou mesmo desse “background” que se repete em diversas películas vistas por aí, existe um motivo bem claro pelo qual a obra de Spielberg se destaca dentre as tantas que pipocam nos cinemas. Certamente há um ponto de forte ligação ao fator: enredo\roteiro. Bem dificilmente as proporções presentes no filme se dariam, se não fosse a exemplar história tão bem descrita por Steven Zaillian. No entanto, mais que uma grande epopeia, “A Lista de Schindler” não seria metade do que fora, se não fosse sua eximiu maneira de contar esta história. Sim, o como cada ato, cada corte, cada plano se unem para contar aquele incrível roteiro, de fato são de suma importância para a relevância desta película em nossas mentes. Muitas vezes não se é “a história que se conta” o importante, mas sim “o como ele é contada”. E nesse quesito, ambos são isentos de erros, e ainda mais; são certeiros em suas escolhas. Por estes e outros motivos, decidimos assim analisar o como este filme foi de fato encaminhado; seja no âmbito da decupagem, da montagem, do som, etc. E mais, quem sabe assim aprendermos um pouco do como se encaminhar uma boa narrativa perante a sétima arte, tanto no quesito técnico, quanto teórico.


ABSTRACT


It can be said, without a doubt, that the 1993’s film “Schindler’s List” is one of the most relevant exponents pieces setted in the second world war ever executed. Despite the gender, or even the background being used in innumerous films, there is a very clear reason for why Spielberg’s piece be one of the most relevant movies that are exhibited on cinema. Certainly, there is a strong bond between plot/script. Hardly the presented parts in the movie would work, if wasn’t the exceptional well written story described by Steven Zaillian. However, being more than a great epic, “Schindler’s List” wouldn’t be half of what it was if wasn’t your precise way that it is told. Yes, how each act, each cut, each frame gets together to tell that amazing script, in fact are of high level of importance for the relevance of this film in our minds. Uncountable times is not “the story that is told” that is important, but the “how it is told”. In this way, both are isent of mistakes, and even more; are on point with your choices. For those and other reasons, we decided to analyze how this movie was conducted; being in the decoupage ambit, the montage, the sound, etc. Maybe, this way we can learn a little of how to direct a good narrative towards the seventh art, in a technical and theoretical way.


CLIQUE AQUI PARA ABRIR O PDF DO ARTIGO.


MATERIAL DE APOIO:

CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR A SEQUÊNCIA ANALISADA.